Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Costuma dizer-se que os Estados Unidos da América são um país muito mais liberal do que a Europa.

Pode ser verdade em muitas áreas da economia, mas no desporto não é. 

Os mercados de trabalho das grandes ligas desportivas americanas (NFL, NBA, MLB, NHL, MLS) são muito regulamentados e os jogadores não mudam de clube com facilidade.

Praticamente não existe "mercado de transferências", há muito poucas no basquetebol ou no futebol americano.

Mudar de clube é muito difícil, e os contratos são blindados, protegendo mais os clubes do que os jogadores.

Além disso, existem "tectos salariais" para evitar o crescimento estratoesférico dos salários. 

A NFL, a liga mais bem gerida do mundo e a que mais lucro dá, limita muito a mobilidade dos jogadores, e tem um sistema de contratos complexo, distinguindo os jogadores conforme o número de anos que já jogaram.

Todas estas regras visam impedir a explosão dos custos salariais nos clubes, e talvez por isso os clubes desportivos americanos, em quase todas as ligas, são muito mais rentáteis e luvrativos do que os clubes de futebol.

Há limites aos custos mais rigorosos e isso impede o endividamento permanente.

Contudo, não é assim no mundo do futebol.

A liberdade quase total de movimentos é a norma da FIFA.

A mobilidade dos jogadores é enorme, bem como o seu poder, e o dos seus empresários.

Também existem muitos empresários na América, mas as regras são diferentes. 

A roda viva planetária em que se transformou o mercado dos jogadores de futebol raia a loucura, e os principais prejudicados são os clubes.

Os salários dos jogadores estão quase sempre a subir, e no topo da qualidade atingem valores absolutamente espantosos.

Eto´o é o mais pago, a 20 milhões de euros por ano, o que é um absurdo, pois nem sequer é dos melhores do mundo.

Esta espiral de subida dos custos é a principal responsável pelo endividamento colossal da maior parte dos clubes de futebol.

Seja em Inglaterra, em Espanha, Itália ou Portugal, os clubes endividaram-se para poderem competir, mas quem tem ganho mais são jogadores e empresários.

A facilidade legal com que os jogadores mudam de clube, a lei das transferências, as janelas do mercado, tudo conspira contra os clubes.

Os contratos, mesmo quando são recentes, não garantem quase nada, e os jogadores podem "forçar a saída". 

Este Verão tem sido pródigo em "casos" em Portugal.

No Benfica, além do melodrama de Cardozo, houve também o "desaparecimento" de Oblak, que tinha contrato; as opacidades da venda de Roberto; ou o estranho caso de Pizzi.

No Sporting, há o "caso Bruma" e há também o "caso Labyad", e ainda outros menores.

Nem o FC Porto está imune a estas coisas.

Atsu foi relegado para a equipa B, alegadamente por ter ameaçado assinar pelo Benfica.

Rolando, depois de um ano numa obscuridade forçada, saiu finalmente, dizendo cobras e lagartos dos dirigentes azuis.

E há ainda Jackson Martinez, que fez apenas uma época, reconheça-se que de muita qualidade, e agora já ameaça em declarações públicas o clube, estabelecendo as suas condições:"ou renovo ou saio".

O enquadramento legal demasiado solto e permissivo, e demasidado favorável aos jogadores, aliado ao funcionamento quase selvagem do mundo do dinheiro, criam tremendos problemas às equipas, e sobretudo aos treinadores.

Com quem podem contar Paulo Fonseca, Jorge Jesus ou Leonardo Jardim? 

Até aos primeiros dias de Setembro, os clubes estão vulneráveis, o planeamento é difícil de estabilizar, e a cabeça dos jogadores continua desfocada.

Eles pensam em dinheiro, em melhorar a vida, e isso é compreensível.

Mas, os prejudicados com esta rotação imparável de jogadores são sobretudo os clubes.

É também por isso que o endividamento é tão elevado.

Gerir um clube nestas condições de mercado é muito complicado. Na América é mais fácil, porque a América não é tão liberal no desporto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:39



Sobre o autor

Domingos Amaral é professor de Economia dos Desportos (Sports Economics) na Universidade Católica Portuguesa. É também jornalista e escritor e tem o blog O Diário de Domingos Amaral.


Contacto

oeconomistadabola@gmail.com

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D