Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Nos campeonatos nacionais, normalmente é campeão o clube que tem uma despesa salarial mais elevada.

Quem paga mais, ganha mais, é essa a regra económica.

Os salários são um bom indicador da qualidade dos jogadores e técnicos, e quem paga mais é quem tem os melhores jogadores.

Ou seja, a melhor equipa, com os melhores jogadores e mais bem pagos, é normalmente campeã.

 

No ano passado, esta regra verificou-se nos principais campeonatos europeus.

Em Portugal, o campeão foi o Benfica, que tinha a maior despesa salarial.

Em Itália foi a Juventus, na Alemanha o Bayern, na Holanda o Ajax, em Inglaterra o City e em França o PSG.

Em todos estes casos, os campeões eram os que pagavam os salários mais elevados.

Só o Atlético de Madrid conseguiu furar essa regra, sendo campeão apesar de ter uma despesa salarial mais baixa que Real e Barcelona. 

 

Pegando nessa regra, qual o clube que este ano tem mais hipóteses de ser campeão nacional por cá?

A resposta é: o FC Porto. 

Tal como há precisamente um ano aqui escrevi que o Benfica era o mais forte candidato, agora digo que o FC Porto só não será campeão se Lopetegui fizer muitos erros.

E digo-o com números, que retirei do relatório de contas dos clubes.

 

No primeiro trimestre, o FCP gastou cerca de 15,5 milhões de euros com gastos com o pessoal. 

Se admitirmos que 90% deste valor vai para salários de jogadores e treinadores, temos uma despesa trimestral salarial de quase 14 milhões de euros.

O gasto anual em salários dos azuis poderá ser cerca de 55,8 milhões de euros.

 

Quanto ao Benfica, no seu relatório está dito que os gastos com pessoal são de 14,4 milhões de euros no primeiro trimestre.

Se admitirmos que há uma parcela deste valor que é em despesas com outros funcionários e administração, o valor pago em salários, os tais 90%, serão cerca de 13 milhões de euros por trimestre.

Multiplicando por quatro trimestres, no Benfica prevê-se uma despesa salarial anual de 52 milhões de euros.

 

Quanto ao Sporting, os seus gastos salariais no primeiro trimestre são de 5,6 milhões de euros.

Admitindo o mesmo critério, cerca de 90% deste valor é salários de jogadores e treinadores, chegamos a 5 milhões de euros.

O valor anual da despesa salarial do Sporting será assim de 20 milhões de euros.

Mesmo acrescentando os 5 milhões que Nani recebe, mas são pagos pelo United, a despesa salarial do Sporting nunca ultrapassaria os 25 milhões de euros, claramente abaixo dos seus rivais.

 

Nos últimos nove campeonatos nacionais, a regra da despesa salarial sempre se verificou.

Foi assim em 2010 e 2014, o Benfica foi campeão e tinha a maior despesa salarial.

E foi assim nos outros sete anos, em que o FC Porto foi campeão, e tinha também a maior despesa salarial.

Portanto, é muito provável que essa regra se volte a verificar este ano.

Gastando o FC Porto em salários cerca de 55 milhões, o Benfica cerca de 52 milhões e o Sporting cerca de 20 milhões mais o Nani, é quase certo que o FC Porto será campeão nacional.

Eu sei que isto nem sempre se verifica, mas a probabilidade é muito alta.   

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:33


7 comentários

Sem imagem de perfil

De José Amílcar Ferreira Casimiro a 11.01.2015 às 11:56

Poderá ter alguma sustentação estatística no entanto não é esse o paradigma de um clube moderno. Ver http://en.wikipedia.org/wiki/Moneyball para perceber a corrente atual no desporto a nível mundial.

Comentar post



Sobre o autor

Domingos Amaral é professor de Economia dos Desportos (Sports Economics) na Universidade Católica Portuguesa. É também jornalista e escritor e tem o blog O Diário de Domingos Amaral.


Contacto

oeconomistadabola@gmail.com

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D