Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Há quatro anos, também a Argentina de Maradona levou 4 da Alemanha, nos quartos-de-final do mundial na África do Sul.

O primeiro golo foi logo aos 3 minutos, por...Muller, mas depois a história foi um pouco diferente.

A Argentina foi tentando, e na última meia hora arriscou demais, jogou aberto e...lixou-se.

A Alemanha marcou 3 golos e arrumou para sempre com a carreira de Maradona como treinador.

 

Esta recordação devia ter servido como lição para Portugal, na abordagem do jogo de ontem.

Contra a Alemanha, só vence quem defende muito bem, fechado lá atrás, como a Itália, em 2012, ou a Espanha, em 2010.

Paulo Bento não aprendeu essa lição nos jogos dos outros, nem no seu próprio jogo contra a Alemanha.

Há dois anos, perdemos por 1-0, o que não foi nem fatal, nem humilhante.

Desta vez, tudo foi diferente, e tudo começou com uma péssima escolha de estratégia.

Portugal quis discutir o jogo de igual para igual, e com a Alemanha isso é sempre fatal.

Em vez de jogarmos fechados, a deixar o tempo passar, armámo-nos em carapaus de corrida e tramámo-nos.

 

Mas, esse não foi o único erro grave.

Olhando para a nossa equipa, é impressionante constatar que mais de metade dos 11 tiveram imensos problemas físicos nos últimos meses.

Pepe esteve lesionado, Coentrão e Hugo Almeida também, Meireles idem, Ronaldo é o que se sabe e Nani quase não jogou em seis meses.

Faz algum sentido entrar em campo com tantos problemas físicos e tanta falta de ritmo?

Pepe, Coentrão, Meireles e Hugo Almeida não deviam ter jogado, e Ronaldo e Nani só devem jogar porque sem eles não somos nada.

 

Se juntarmos estes dois erros - a estratégia aberta e a debilidade física - percebemos que Paulo Bento desta vez errou em toda a linha.

Depois, a somar a isso, apareceram os erros individuais, alguns escandalosos e incompreensíveis.

Rui Patrício: dois pontapés oferecidos aos alemães, que só não deram golo por milagre, e uma fífia que deu a Muller o 4-0.

João Pereira: uma falta clara, que deu um penalty.

Bruno Alves: comido no 2-0 no ar, comido no 3-0 no chão.

Pepe: comido no 2-0 no ar, cabeçada a Muller e expulsão.

Coentrão: uma nulidade no ataque e na defesa.

André Almeida: uma fífia no 4-0.

Miguel Veloso: uma nulidade absoluta.

Raul Meireles: outra nulidade absoluta.

João Moutinho: o seu pior jogo de sempre na selecção.

Na verdade, foi a malta do ataque a única que esteve razoável, sobretudo Nani, mas também Ronaldo e Éder tentaram lutar.

 

E agora?

Bem, além de todas estas falhas, houve ainda uma falha clara de informação.

Será que na seleção alguém sabe que o primeiro critério de desempate é o "goal average" e não os resultados entre as equipas?

Sofrer 4 golos e não marcar é um passo na direção do abismo.

Agora, não existe apenas a pressão de ter de ganhar aos Estados Unidos, existe também a obrigação de marcar vários golos, pois eles têm +1, e nós temos -4, no goal average.

Eu sei que ainda é cedo, que se ganharmos os dois jogos seguimos em frente e essas tretas todas, mas depois da maior derrota de sempre, as coisas ficaram mesmo pretas.

Até ontem, o Top 3 das derrotas humilhantes de Portugal eram o Portugal-Marrocos em 86 (1-3); o Portugal-Coreia, em 2002 (0-1); e o Portugal-Estados Unidos, em 2002 (2-3), mas esta derrota entrou directamente para o primeiro lugar.

Mesmo que Portugal avance para a fase seguinte, o que eu acho muito difícil, esta nódoa já ninguém a tira da nossa memória. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:34


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Francisco Gonçalves a 17.06.2014 às 15:54

Jovem,
O Khedira passou a época toda no estaleiro e foi opção do treinador alemão.
Manuel Neuer esteve lesionado, no final da época, já depois da 2ª mão da Liga dos Campeões, assim como o capitão Lahm.
Todos eles jogaram ontem e, curiosamente, durante 90 minutos
Tem alguma tese, dessa brilhantes a que normalmente está associado, para tal circunstância?
(Por uma questão de coerência, não se sinta obrigado a publicar o comentário, obviamente).
Imagem de perfil

De Domingos Amaral a 17.06.2014 às 16:51

Caro ancião, obrigado pelo seu comentário sem palavrões ou insultos, e fique a saber que esse é o meu princípio para publicar qualquer comentário. Quanto à sua ideia brilhante, apenas posso dizer que 3 não são o mesmo que 6. Por fim, uma pergunta. Não me diga que é dos que acha que foi o árbitro que nos derrotou?
Sem imagem de perfil

De Francisco Gonçalves a 18.06.2014 às 13:49

Caríssimo,
A forma como escreve o último período do seu comentário, ao meu comentário, faz-me lembrar que não o deve terminar com um ponto de interrogação. Aquilo não é uma pergunta. Quando muito, jovem jornalista, com umas reticências.
Adiante. Respondendo à sua pseudopergunta, dir-lhe-ei que não acho que o árbitro tenha sido o responsável pela derrota da seleção portuguesa, mas – há sempre um mas, no meio disto tudo -, foi, sem dúvida, um elemento acelerativo da nossa derrota, isto sem prejuízo da indigência do nível de desempenho da seleção portuguesa.
Agora, se me permite, gostaria de colocar-lhe uma questão: se o lance do alegado penálti cometido pelo jogador lusitano acontecesse na outra área, será que o sérvio seria, de igual modo, tão resoluto a apontar a marca da grande penalidade?
Deixo-lhe uma sugestão de reflexão: imagine o futebol sem penáltis que são, na minha opinião, a maior fraude do futebol.

Comentar post



Sobre o autor

Domingos Amaral é professor de Economia dos Desportos (Sports Economics) na Universidade Católica Portuguesa. É também jornalista e escritor e tem o blog O Diário de Domingos Amaral.


Contacto

oeconomistadabola@gmail.com

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D