Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Sempre que oiço os críticos de Paulo Bento, dou-lhes total razão, mas logo acrescento a pergunta: e quem seleccionavas tu?

As pessoas ficam atrapalhadas, falam em Quaresma, Carlos Mané, até num tal de Tomané que joga no Guimarães, e eu pasmo...

Importam-se de repetir? Acham mesmo que a seleção nacional ficaria melhor com um Ruben Neves, um Adrien, um Eliseu?

Talvez valha a pena descer um pouco à terra, digo eu...

 

A realidade é dura, mas há que enfrentá-la, e a realidade é que, por mais convocatórias que cada um de nós faça, não alteramos a coisa.

Hoje, não há em Portugal jogadores suficientes para construir uma grande seleção, essa é que é essa.

O tempo em que éramos uma das seis ou sete melhores seleções do mundo já passou.

Não há jogadores como Figo, Rui Costa, Deco, Maniche, Sérgio Conceição, Paulo Sousa, Ricardo Carvalho, e mais alguns.

Com a excepção Cristiano Ronaldo, e uma ou duas vezes Fábio Coentrão, o resto da seleção vale pouco.

E não há substitutos que se vejam, por mais que puxemos pela cabeça.

 

Quem devia ser a dupla de centrais? Tire-se Pepe, Costa e Bruno Alves, e quem resta?

Neto? Nem joga sempre no seu clube...Vezo? Ouvi dizer que vai ser emprestado pelo Valência...

E nas laterais, se não jogar João Pereira, quem temos? André Almeida? Cedric? 

Passemos ao meio-campo: acham mesmo que Ruben Neves iria transportar-nos para o céu, com Adrien ao lado?

E quem tiravam? William?

 

Nani ainda mexe, mas Quaresma seria melhor, apesar de nem jogar no FC Porto?

E queriam Bebé, que não é titular no Benfica, ou Mané, que não é titular no Sporting?

Pois é, a realidade é dura.

Podemos criticar Paulo Bento, e eu também acho que ele não tem andado nada bem desde Novembro, mas será que um treinador diferente conseguia mudar o panorama geral de fraqueza?

 

Temos infelizmente todos de meter na cabeça que a nossa seleção caiu muito de qualidade, e por isso não vale a pena ter muitas aspirações.

Somos, e seremos nos próximos cinco ou dez anos, uma seleção mediana, como fomos nos anos 70 e 80, capaz de um inesperado brilharete, mas com uma qualidade geral muito fraquinha.

São as seleções medianas que perdem com as fracas, como ontem aconteceu com a derrota com a Albânia, e não conseguem vencer as grandes, como aconteceu no Mundial com a derrota com a Alemanha.

 

É triste mas é a realidade, e mandar embora Paulo Bento só vai alimentar a ilusão de que as coisas podiam ser diferentes.

Não podiam, nem serão. A mediania regressou, não há volta a dar-lhe.

O único conforto é que não somos os únicos.

Itália, Inglaterra, Polónia, Bulgária, Roménia, República Checa, e até a França e talvez em breve a Espanha, todas foram grandes seleções no passado, mas no presente não passam da vulgaridade.

É assim a vida, habituem-se.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:45


6 comentários

Sem imagem de perfil

De Ricardo Costa a 08.09.2014 às 17:07

Nao das uma pa caixa oh Domingos. Não tens outra coisa qq para te dedicares?
Que eu me lembre Portugal foi vice-campeao do mundo de s19 em 2011. Perdeu o titulo para o Brasil ( Conheces !?). A atual selecção s21 varre tudo pela frente. Temos ( para alem do Cristiano) dois campeoes europeus pelo Real Madrid ( Conheces!? ).
Ainda temos uma mao cheia de jogadores com qualidade q.b. para ambicionar-mos mais.
Mas depois temos os Domingos da vida, aqueles que não lutam por nada, não ambicionam nada, apenas debitam disparates em qq e todo o espaço que podem... enfim. Não escrevas do que não sabes... so um conselho!
Imagem de perfil

De Domingos Amaral a 09.09.2014 às 10:48

Caro Ricardo Costa, devia pensar antes de escrever, pois acreditar que a seleção de sub-2o que foi vice-campeã, e a actual de sub-21, estão à altura dos mais velhos, é uma ilusão amorosa mas não passa disso mesmo. Ser campeão do mundo de sub-20 não é garantia de nada, que o digam a Argentina, o Gana, ou o Brasil, que nos últimos anos, que eu saiba, não ganharam nada nos mais velhos. Mas, se lhe incomoda assim tanto o que eu escrevo, tome uma pastilha e acalme-se, não sou assim tão importante...Cumprimentos, Domingos Amaral
Sem imagem de perfil

De Ricardo Costa a 09.09.2014 às 16:40

Caro Domingos,
Antes de mais obrigado pela forma cuidada que me respondeste. Deste um sinal de elevação que não estava à espera.
O meu comentário ao teu artigo foi no sentido de não cedermos à derrota assim tão facilmente. Admito que me irrito facilmente com essa atitude, porque se fossemos todos assim, num pequeno pais como o nosso, não ganhávamos nada, em nada!
Ha que ousar porque sem ousadia estagnamos. Mas felizmente existe em Portugal gente com talento e ousadia (em paralelo com os velhos do restelo) suficiente para darmos cartas no desporto (como tb em outras areas)a nível internacional.
Se ser campeão(ou Vice) do mundo, de qq que seja a camada <, não é um sinal de esperança.. então não sei o que poderá ser. Uma equipa recheada de Messis e Ronaldos talvez !???
Obviamente que a curto prazo não conto com grandes resultados, mas com um bom treinador/selecionador que consiga integrar esta nova geração com os mais velhos.. Cristiano, Coentrao, Moutinho, Pepe, Nani.. não vejo o porque dessa descrença no talento e nas ambições que todos nos temos.
Tambem é verdade que não vale a pena aumentarmos as expectativas para níveis estratosfericos, mas também não é preciso baixarmos as calças as Albanias da vida!
Cumprimentos,
Ricardo




Sem imagem de perfil

De Pedro Ribeiro a 09.09.2014 às 11:42

Caro Domingos Amaral,

do meu ponto de vista o que escreve faz todo o sentido no que diz respeito ao decréscimo de qualidade dos "seleccionáveis" nos últimos anos.

Contudo, a crítica que faço ao Paulo Bento (extensível a toda a FPF) é de que não têm sido capazes de assumir esse decréscimo, aproveitando-o até para baixar as expectativas, e para definir uma estratégia para a Selecção Nacional, a longo prazo e transversal a todos os escalões. Pelo contrário, o que tem sido feito é precisamente o contrário. Assumem-se favoritismos injustificados, sobem-se artificialmente as expectativas e opta-se por uma constante fuga para a frente.

Relativamente ao futebol jogado propriamente dito, podemos não ter a melhor matéria-prima disponível (tenho até dúvidas se conseguiríamos montar um 11 sem lacunas graves) mas podíamos e devíamos ser competentes. E Selecções competentes ganham 99 em 100 a esta Albânia. E essa ausência de competência é, na minha opinião, culpa do Paulo Bento.

Cumprimentos,
Pedro Ribeiro

Sem imagem de perfil

De Paulo Teixeira a 09.09.2014 às 13:08

Caro Domingos,

Creio que a "teimosa coerencia" de Bento irá queimá-lo em lume brando.

Vejamos, na pre-convocatória para o Mundial, convocou João Mário que em Janeiro o Sporting havia emprestado ao V Setubal, em detrimento de Adrien. Bom, Jardim que trabalhava diariamente com ambos, considerou importante dar minutos a João Mário, e deu a titularidade absoluta a Adrien, e que Campeonato ele fez a par de William. Nesses mesmos 30 convocados, incluiu o nome de Cavaleiro, um titularissimo da II Liga, o inusitado apenas aconteceu em 1976, quando o promissor Vital do Riopele (II Divisão Nacional Zona Norte), foi pré-convocado para um jogo de apuramento do Europeu.

Para o jogo com a Arménia em Aveiro, e relativamente ao miolo, eu "treinador de bancada" considerei ajustado o banco para Veloso e Meireles, e assim se desfazia o miolo de Bento, com algumas rotinas (mas Meireles acusa já a natural veterania, e nem deveria ser convocado). Pois bem, qual o meu espanto quando vislumbro no miolo, William, André Gomes (o tal que foi "vendido" por 15 M€) e Moutinho, um miolo com uma unidade de cada Nação, que nunca havia jogado junto. E eu pergunto, não poderia Bento aproveitar as rotinas de Clube de William/Adrien e acrescentar Moutinho? Recordam-me do meio campo do Euro 2004? Pois bem, a teimosia teimosa de Bento, em modo Scolari acabou por trai-lo!

Bem, e o que dizer das opções de banco ofensivas desta Selecção? Horta que teve pontaria para o ferro, pouco mais acrescentou, Cavaleiro provou a riqueza do "made in Benfica", e sobretudo a sua banalidade. Em contraste, e sem CR, foi desprezada a genialidade de Quaresma, Rafa que havia estado nos 23 do Brasil, ou mesmo Bruma (este relegado para a bancada), 3 desequilibradores que poderiam mexer com o jogo não foram tão pouco opção!

Renovação?! Provavelmente Bento irá procede-la brevemente, e Cancelo ou Bernardo são nomes consensuais, a exemplo do prodigioso Cavaleiro, sobretudo a bem do Nacional benfiquismo, e da valorização do "made in benfica", ou "made in mentiras"!
Sem imagem de perfil

De hugo rodrigues a 09.09.2014 às 23:11

Podemos não ser a seleção de outrora, mas temos de afirmar os nossos dando oportunidades aos jogadores que jogam em clubes q n sejam os tres grandes ou Jorge Mendes. Não basta jogar com jogadores de estampa europeia, é preferivel jogar com jogadores que tenham andamento. Para um economista da bola devia fazer contas em vez de estar atento a rumores Ruben Vezo? tem 180 min no Valencia em dois jogos. Quer mais soluções? José Fonte, titularissimo no Southampton. Eliseu, Adrien, André André todos com muitos minutos de jogo nas pernas. Tomané??? Só tem de ir é PL titular na Liga e faz golos.
Basta de jogadores de estatuto e que não tem vontade, só demonstram que podem ou podiam ter potencial, mas que lhes falta atitude,humildade e trabalho.

Comentar post



Sobre o autor

Domingos Amaral é professor de Economia dos Desportos (Sports Economics) na Universidade Católica Portuguesa. É também jornalista e escritor e tem o blog O Diário de Domingos Amaral.


Contacto

oeconomistadabola@gmail.com

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D