Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Sempre que oiço os críticos de Paulo Bento, dou-lhes total razão, mas logo acrescento a pergunta: e quem seleccionavas tu?

As pessoas ficam atrapalhadas, falam em Quaresma, Carlos Mané, até num tal de Tomané que joga no Guimarães, e eu pasmo...

Importam-se de repetir? Acham mesmo que a seleção nacional ficaria melhor com um Ruben Neves, um Adrien, um Eliseu?

Talvez valha a pena descer um pouco à terra, digo eu...

 

A realidade é dura, mas há que enfrentá-la, e a realidade é que, por mais convocatórias que cada um de nós faça, não alteramos a coisa.

Hoje, não há em Portugal jogadores suficientes para construir uma grande seleção, essa é que é essa.

O tempo em que éramos uma das seis ou sete melhores seleções do mundo já passou.

Não há jogadores como Figo, Rui Costa, Deco, Maniche, Sérgio Conceição, Paulo Sousa, Ricardo Carvalho, e mais alguns.

Com a excepção Cristiano Ronaldo, e uma ou duas vezes Fábio Coentrão, o resto da seleção vale pouco.

E não há substitutos que se vejam, por mais que puxemos pela cabeça.

 

Quem devia ser a dupla de centrais? Tire-se Pepe, Costa e Bruno Alves, e quem resta?

Neto? Nem joga sempre no seu clube...Vezo? Ouvi dizer que vai ser emprestado pelo Valência...

E nas laterais, se não jogar João Pereira, quem temos? André Almeida? Cedric? 

Passemos ao meio-campo: acham mesmo que Ruben Neves iria transportar-nos para o céu, com Adrien ao lado?

E quem tiravam? William?

 

Nani ainda mexe, mas Quaresma seria melhor, apesar de nem jogar no FC Porto?

E queriam Bebé, que não é titular no Benfica, ou Mané, que não é titular no Sporting?

Pois é, a realidade é dura.

Podemos criticar Paulo Bento, e eu também acho que ele não tem andado nada bem desde Novembro, mas será que um treinador diferente conseguia mudar o panorama geral de fraqueza?

 

Temos infelizmente todos de meter na cabeça que a nossa seleção caiu muito de qualidade, e por isso não vale a pena ter muitas aspirações.

Somos, e seremos nos próximos cinco ou dez anos, uma seleção mediana, como fomos nos anos 70 e 80, capaz de um inesperado brilharete, mas com uma qualidade geral muito fraquinha.

São as seleções medianas que perdem com as fracas, como ontem aconteceu com a derrota com a Albânia, e não conseguem vencer as grandes, como aconteceu no Mundial com a derrota com a Alemanha.

 

É triste mas é a realidade, e mandar embora Paulo Bento só vai alimentar a ilusão de que as coisas podiam ser diferentes.

Não podiam, nem serão. A mediania regressou, não há volta a dar-lhe.

O único conforto é que não somos os únicos.

Itália, Inglaterra, Polónia, Bulgária, Roménia, República Checa, e até a França e talvez em breve a Espanha, todas foram grandes seleções no passado, mas no presente não passam da vulgaridade.

É assim a vida, habituem-se.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:45


Sobre o autor

Domingos Amaral é professor de Economia dos Desportos (Sports Economics) na Universidade Católica Portuguesa. É também jornalista e escritor e tem o blog O Diário de Domingos Amaral.


Contacto

oeconomistadabola@gmail.com

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Posts mais comentados