Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Das oito equipas que estão nos quartos-de-final da Champions, vão passar à meia-final as mais ricas?

O valor do plantel e a despesa salarial das equipas fará uma seleção natural, colocando à frente as mais abastadas?

A resposta é: nem sempre!

Vejamos como estão os quartos-de-final depois da primeira mão.

 

O Barcelona empatou em casa com o Atlético de Madrid (1-1).

O valor do plantel do Barcelona é de 600 milhões de euros, enquanto o do Atlético é de 256,1 milhões de euros.

A despesa salarial do Barcelona é de 220 milhões de euros, enquanto o Atlético gasta em salários pouco mais de metade desse valor, 120 milhões de euros.

Em receitas, e segundo o último relatório da Deloitte, o Barcelona é o 2º clube que mais receitas gerou em 2012/2013, atingindo um valor de 482,6 milhões de euros, enquanto o Atlético está em 20º lugar dessa lista, com apenas 120 milhões de euros de receitas.

O salário do treinador também revela importantes diferenças.

Gerardo Martino ganha cerca de 5,4 milhões de euros, enquanto Diego Simeone se fica pelos 2,5 milhões de euros.

O Barcelona tem 2 jogadores no top ten dos maiores salários do mundo, Messi e Neymar, enquanto o Atlético não tem nenhum jogador nesse top.

Na lista dos 100 jogadores mais valiosos, existem apenas 3 do Atlético de Madrid (Diego Costa, Courtois e Arda Turan), mas existem 9 do Barcelona (Messi, Neymar, Iniesta, Busquets, Fabregas, Piqué, Alexis Sanchez, Jordi Alba e Dani Alves).

Perante estes dados, o que podemos dizer é que o Atlético de Madrid está a surpreender, o seu valor desportivo está a sobrepor-se ao valor económico do Barcelona. 

 

Passemos ao Paris Saint-Germain e ao Chelsea.

Na primeira mão, ficou 3-1 em Paris.

O valor do plantel do Chelsea é de 451 milhões de euros, enquanto o do PSG está nos 363,7 milhões de euros.

A despesa salarial do Chelsea anda pelos 210 milhões de euros, enquanto a do PSG se fica pelos 170 milhões.

Em receitas, a situação inverte-se, o PSG chega aos 398,8 milhões de euros gerados em receitas com bilheteira, direitos televisivos e patrocinadores, enquanto o Chelsea se fica pelos 303,4 milhões de euros.

Mas, no salário do treinador, o Chelsea regressa à vantagem. Mourinho ganha 10,3 milhões de euros, enquanto Blanc se fica pelos 3 milhões.

Quanto a jogadores no top ten dos salários, o único presente é Ibrahimovic, do PSG, que ganha 14,5 milhões por ano, mas atenção porque ele se lesionou e não irá jogar a segunda mão.

Se por fim olharmos para a lista dos 100 mais valiosos, vemos que por lá existem 7 jogadores do PSG (Cavani, Thiago Silva, Lucas Moura, Pastore, Lavezzi, Marquinhos e Verrati) e do Chelsea contam-se apenas 6 (Schurle, David Luiz, Ramires, Oscar, William e Hazard).

Portanto, esta é uma eliminatória onde se previa mais equilíbrio, embora o valor económico seja favorável ao Chelsea.

Mas, o PSG conseguiu adiantar-se e fez um resultado muito bom na primeira mão, acima do que se esperava.

Para já, o valor desportivo do PSG está a sobrepor-se ao maior valor económico do Chelsea.

 

No embate entre Real Madrid e Borussia Dortmund, as coisas são bem mais previsíveis.

Em Madrid, o resultado foi 3-0, e poucos acreditam que na Alemanha o Borussia consiga virar o assunto.

É um resultado esperado, pois há diferenças muito consideráveis entre as duas equipas.

O Real Madrid é o 2º plantel mais valiosos do mundo, só atrás do Barça, e vale 575,3 milhões de euros, enquanto o Dortmund se fica pelo 11º lugar nessa lista, valendo apenas 308,7 milhões.

Quanto à despesa salarial, a do Real chega aos 215 milhões, enquanto a do Dortmund se fica pelos 65 milhões de euros.

Em receitas totais, a diferença é também muito acentuada: o Real gera 518 milhões, o Borussia apenas 256 milhões de euros.

O salário do treinador também é diferente: Carlo Ancelotti é o 6º mais bem pago do mundo, ganhando 7,5 milhões, enquanto Klopp é o 9º mais bem pago, com um vencimento de 4,3 milhões de euros.

Quanto a jogadores, em campo só haverá um que está no top ten dos mais bem pagos, Cristiano Ronaldo.

Mas, se olharmos para o valor individual de mercado dos jogadores, vemos que a diferença é colossal.

O Real tem 10 jogdores na lista dos 100 mais valiosos (Ronaldo, Bale, Isco, Di Maria, Benzema, Modric, Marcelo, Ramos, Ilaramendi e Varane), enquanto que o Dortmund só tem 5 jogadores (Hummels, Mkhltaryan, Gundogan, Reus e Lewandowski).

Portanto, ninguém ficará surpreendido se o Real seguir em frente, pois tem maior valor desportivo e económico.

 

Por fim, o embate de gigantes entre Manchester United e Bayern de Munique.

Em Inglaterra, ficou 1-1, mas a surpresa terá sido o bom jogo que fez o United, pois a balança económica está claramente desequilibrada para o lado dos alemães.

O plantel do Bayern é o terceiro mais valioso do mundo, vale 493,2 milhões de euros; enquanto o do Manchester United é apenas o 6º da lista, com um valor de 394,1 milhões de euros.

Quanto à despesa salarial, a diferença é curta. Bayern gasta 200 milhões em salários, o United gasta 198 milhões.

E em receitas totais, também não se mostra grande desequilíbrio. O Bayern gera 431 milhões, o United gera 423 milhões.

Mas, no que toca ao salário do treinador, abre-se um grande fosso. David Moyes ganha 5,9 milhões por ano, enquanto Guardiola é o mais bem pago do mundo, nos 17 milhões!

Em valor individual de mercado de jogadores, temos que o Bayern tem 12 jogadores no top 100 (Goetze, Muller, Schweinsenteiger, Martinez, Ribery, Kroos, Alaba, Neuer, Lahm, Thiago Alcântara, Mandzukic e Robben) e o United tem apenas 3 (Mata, Rooney, Van Persie).

Em conclusão, será uma enorme surpresa se o Bayern não seguir em frente, pois tem maior valor económico e desportivo.  

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:54

Nos últimos dias, vários jornais económicos e desportivos noticiaram o fantástico acordo de patrocínio das camisolas do Barça.

O patrocinador, a Qatar Airways, é o primeira marca comercial a aparecer estampada nas camisolas do clube, e o valor do contrato é excelente.

São cerca de 30 milhões de euros no primeiro ano, mais 5 milhões dependendo da carreira na Champions, e ao terceiro ano, o último do contrato, o valor poderá chegar mesmo a 33+5 milhões.

Para quem nunca vendera a camisola a marcas, o Barcelona fez-se pagar caro.

Mas, há anos que o Barça vinha quebrando o tabu devagarinho.

Primeiro com a Unicef, e depois, nas duas últimas épocas, com a Qatar Foundation, que é nem mais nem menos que a dona da...Qatar Airways.

Foi pois uma transição serena, e agora já não há nenhum clube de futebol no mundo (dos grandes, obviamente) que não tenha patrocinador nas camisolas.

 

No entanto, quem pense que este é o maior patrocínio de sempre, está enganado.

Acima do Barça existem pelo menos dois clubes: o Bayern de Munique e o Manchester United.

Quanto aos alemães, o patrocínio da Deutsche Telekom está avalidado em 40 milhões de euros por ano, e esta época ainda é o maior do mundo.

Aliás, o Bayern é o clube europeu que mais factura com patrocinadores, cerca de 200 milhões de euros por ano.

No grupo dos sponsors, além da Deutsche Telekom, estão a Audi, a Adidas, a Samsung, a cerveja Paulaner e a Allianz, que dá o nome ao estádio de Munique.

Mas, o reinado do Bayern só vai durar mais um ano, pois já foi anunciado um novo contrato de patrocínio milionário entre o Manchester United e a Chevrolet, que no entanto só entrará em vigor em 2014/2015.

O valor total do patrocínio será de 559 milhões de euros a dividir por sete temporadas, o que dá um número anual de cerca de 79 milhões de euros, para a Chevrolet aparecer nas camisolas do United.

 

Assim sendo, é possível fazer um ranking dos maiores patrocínios de camisolas do futebol europeu, já levando em conta o contrato anunciado pelos "red devils".

1 - Manchester United, Chevrolet, 79 milhões por ano (só a partir de 2014/2015).

2 - Bayern Munique, Deutsche Telekom, 40 milhões

3 - Barcelona, Qatar Airways, 35 milhões

4 - Manchester City, Ethiad Airways, 31 milhões

5 - Liverpool, Standard Chartered, 31 milhões

6 - Real Madrid, Emirates, 25 milhões

7 - Chelsea, Samsung, 21 milhões

8 - Borussia Dortmund, Evonik, 20 milhões

9 - AC Milan, Emirates, 16 milhões

10 - Schalke, Gazprom, 15 milhões

 

Estes números são retirados dos relatórios da Deloitte e da Brand Finance, e mostram como os patrocínios se tornaram com o tempo como uma das maiores fontes de receitas dos clubes. 

Embora estes valores se refiram apenas aos patrocínios na parte da frente das camisolas, há muitos outros patrocinadores, seja nos interior dos estádios, nos centros de estágio, no naming, nos equipamentos principais e alternativos, e também nas televisões de alguns clubes.

Como já disse, na Europa é o Bayern que mais factura em patrocínos, e os seus 200 milhões de euros anuais nesse tipo de receitas ultrapassam o valor das receitas das bilheteiras e dos direitos televisivos.

 

E quanto a Portugal, onde estamos?

Na época de 2011/2012, o Benfica foi o que mais facturou em patrocínios, 17 milhões de euros.

E, na última temporada, o valor reportado no relatório do 3º trimestre, apontava para uma ligeira quebra, prevendo-se que o valor anual andasse pelos 16 milhões.

Para esta temporada, o clube não divulgou o valor do patrocínio da MEO, provavelmente porque o contrato engloba mais coisas, como a partilha de receitas da Benfica tv.

Quanto ao FC Porto, o valor da publicidade e patrocínios foi de 13,2 milhões de euros na época de 2011/2012, prevendo-se no terceiro trimestre de 2012/2013 também uma ligeira quebra, que aponta para um valor anual abaixo dos 13 milhões.

Por fim, no Sporting, em 2011/2012, valor foi de 7,7 milhões de euros, e para 2012/2013 a previsão no terceiro trimestre apontava também para uma quebra, devendo o valor final ficar abaixo do 7 milhões.

Embora seja óbvio que o mercado português é mais pobre que os outros, julgo que os patrocínios em Portugal estão um bocado abaixo do seu potencial.

É uma área onde são precisas mais e melhores ideias, para as marcas e para os clubes. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:28


Sobre o autor

Domingos Amaral é professor de Economia dos Desportos (Sports Economics) na Universidade Católica Portuguesa. É também jornalista e escritor e tem o blog O Diário de Domingos Amaral.


Contacto

oeconomistadabola@gmail.com

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Posts mais comentados