Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Quais são os estádios com mais público na Europa, nesta temporada de 2013/2014?

Tomando apenas as assistências médias para os jogos das respectivas Ligas nacionais, eis o top 10 da Europa.

 

1º Borussia Dortmund, Signal Iduna Park, assistências média de 80496 espectadores

2º Manchester United, Old Trafford, 75172

3º Real Madrid, Santiago Bernabéu, 74299

4º Barcelona, Nou Camp, 73543

5º Bayern Munique, Allianz Arena, 71025

6º Schalke 04, Veltins Arena, 61692

7º Arsenal, Emirates Stadium, 60017

8º Borussia Monchengaldbach, Borussia Park, 52394

9º Hamburgo, Imtech Arena, 51225

10º Newcastle, St. James Park, 50347

 

Nos lugares seguintes, entre o 11º e o 20º estão os clubes seguintes: Hertha Berlim, Inter de Milão, Atlético de Madrid, Manchester City, Eintracht de Frankfurt, Estugarda, Paris st. Germain, Liverpool, Nápoles e Hannover.

O primeiro clube português é o Benfica, que não entra no top 25, com uma assistência média de 38843 espectadores, em 9 jogos já realizados na Luz.

Mais abaixo ainda estão o Sporting, com uma assistência média de 33295, e o FC Porto, com uma assistência média de 30835 espectadores no Dragão.

Visto à superfície, parece que estamos mal em termos de espectadores, mas a verdade é que não é assim tão mau como parece.

Apesar de tudo, as assistências médias dos nossos 3 principais clubes estão à frente das assistências médias dos principais clubes de países com muito mais população (turcos, gregos, polacos, ucranianos, russos e holandeses). 

À frente do Benfica só existem clubes alemães, ingleses, espanhóis, italianos e apenas um francês, o PSG. 

Não é nada mau, para clubes de um país com apenas 10 milhões de habitantes. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:46

O regresso do Sporting às boas exibições, que leva as pessoas ao estádio, é um importante sinal.

Nos últimos três anos, devido às más épocas da equipa, o Sporting nunca conseguiu facturar muito nas bilheteiras.

Em 2010-2011, conseguiu 10,6 milhões de euros no total; em 2011-2012, chegou aos 11,4; mas no ano passado deverá ter caído para a casa do 7 milhões, e isto já a contar com as quotizações*. 

Longe, muito longe do Benfica, que desde que Jesus chegou ao clube, factura 30 milhões no seu estádio.

Mesmo assim, com exibições decepcionantes, o Sporting não andou muito longe do FC Porto, que em 2010-2011 e 2011-2012 conseguiu 11,6 milhões de euros; e no ano passado também desceu muito, não devendo chegar aos 8 milhões de euros. 

E isto em 3 épocas em que o FC Porto foi campeão e o Sporting era confrangedor.



A verdade é que o potencial de receitas no estádio do Sporting parece superior ao do FC Porto.

O Sporting tem mais sócios e simpatizantes, e eles têm capacidades económicas elevadas.

Repare-se que, mesmo numa década em que o Sporting não foi campeão, existiram pelo menos 3 anos em que facturou mais no seu estádio que os azuis no Dragão.

Em 2004-2005, o Sporting chegou aos 15, 6 milhões de euros, enquanto o FC Porto, que teve um ano atípico, um pós-Mourinho conturbado, se ficou pelos 13,4 milhões de euros.

A história voltou a repetir-se mais duas vezes.

Em 2007-2008, o Sporting treinado por Paulo Bento, atingiu a sua mais alta faturação de sempre no estádio, chegando aos 16,4 milhões, e o FC Porto de Jesualdo não conseguiu melhor que 14,5 milhões, apesar de ter sido campeão.

Em 2009-2010, o Sporting voltou a ultrapassar o FC Porto em receitas de bilheteiras, obtendo 12,8 milhões de euros contra os 12,3 dos azuis.

E isto apesar do Benfica ter sido campeão, e do Sporting ter ficado em 4º lugar, atrás do FC Porto, que foi 3º.

 

Assim, parece-me um excelente sinal para o Sporting que o ano esteja a começar com grandes casas, como contra o Arouca e sobretudo contra o Benfica.

Se a equipa continuar a manter a bitola alta deste início de campeonato, é possível o Sporting quase dobrar a sua receita em Alvalade, em relação ao ano passado, mesmo sem jogos europeus.

Com Alvalade cheia, um importante passo para a recuperação financeira do clube está a ser dado.

Um estádio eufórico e lotado gera muita receita, e muita receita equilibra as contas e permite abater a dívida.

É assim, e com boas vendas de jogadores (de que falarei num próximo post), que se recupera o clube.

 

* Os números citados são retirados dos relatórios de contas dos clubes.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:16


Sobre o autor

Domingos Amaral é professor de Economia dos Desportos (Sports Economics) na Universidade Católica Portuguesa. É também jornalista e escritor e tem o blog O Diário de Domingos Amaral.


Contacto

oeconomistadabola@gmail.com

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D