Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Há anos assim, imprevistos, impossíveis de imaginar, e no entanto quase perfeitos.

Há um ano, o nosso coração encheu-se de dor com a crueldade do que nos aconteceu.

Porém, como diz Fernando Pessoa, quem quer passar além do Bojador, tem de passar além da dor.

E assim passámos, vencemos a dor com os dentes cerrados e começámos um novo ano porque não havia outra forma de ultrapassar a tristeza.

 

Mas, Deus não estava ainda satisfeito e deu-nos mais provações.

De repente, no espaço de pouco mais de um mês, morre-nos o maior mito da nossa história, e morre-nos também o maior capitão de sempre.

Eusébio e Coluna deixaram-nos sem terem visto como fomos todos capazes de vencer a adversidade e sem terem visto o nosso renascimento.

Mas, foram também eles, com a sua morte e o seu exemplo, que nos deram ainda mais força e coragem.

E que força! E que coragem!

 

Quando um dia olharmos para trás vamos-nos dar conta de que esta foi também uma das épocas mais duras de sempre para os jogadores do Benfica.

Sálvio, Cardozo, Ruben Amorim, Jardel e a sua máscara, Sílvio, Sálvio outra vez, agora Garay, um massacre permenente de lesões, um calvário de sofrimento para eles.

E, no entanto, mal caía um jogador logo outro se levantava e tomava o seu lugar.

Raramente vi no Benfica um grupo tão unido, tão solidário, tão valente.

O jogo de ontem, a primeira batalha de Turim, foi um símbolo da época.

Contra todas as contrariedades, dores, sem um ai que se ouvisse, sem um queixume, sem um momento de quebra, os jogadores combateram como os gigantes que são.

Eu só me lembrava daquela música, menos ais, menos ais, queremos muito mais! 

 

E agora olhem para estes números, olhem todos e respeitem o fantástico trabalho que este ano se fez na Luz.

52 jogos, 52 batalhas e esta é a evidência: 40 vitórias, 8 empates e apenas 4 derrotas.

Uma percentagem de vitórias absolutamente histórica de 84,6%!

Um campeonato nacional já conquistado e ainda 3 grandes finais para disputar!

Um quarteto de títulos ao nosso alcance, meu Deus, quem diria?

 

Jorge Jesus, Luís Filipe Vieira e todos os jogadores já estão de parabéns, mas isto ainda não acabou.

Para o espectáculo ser total, temos de olhar para a frente e perceber que nos faltam 5 jogos até a época acabar e são todos para ganhar.

Queremos ganhar ao Setúbal e ao FC Porto para o campeonato e queremos ganhar as 2 taças contra o Rio Ave.

Os adversários que nos desculpem, mas desta vez não há misericórdia, é tudo para ganhar e ninguém vai levantar o pé do acelerador até ao fim.

O facto de Enzo, Markovic e Salvio não poderem jogar a final da Liga Europa é uma má notícia para eles, para a equipa, mas é também uma péssima notícia para os nossos adversários nacionais.

É que, não podendo jogar em Turim, esses nossos três génios vão explodir nos 4 jogos nacionais que nos faltam!

 

Mas, se há jogo que este ano todos queremos ganhar, esse é a final europeia. 

A segunda batalha de Turim será a mais importante do ano.

A este Benfica, a estes jogadores, a este treinador, falta uma glória assim, uma vitória que nos faça brilhar aos olhos de todo o mundo.

E não me venham com a história da maldição do Bela Guttman mais uma vez!

Nunca conheci nenhuma maldição que não fosse vencida um dia por um príncipe encantado, e estes rapazes são os nossos príncipes, os senhores da Luz.

 

Que ninguém pense porém que será fácil.

O Sevilha é uma equipa perigosíssima, que o digam os nossos rivais azuis.

Nada está ganho, e o mais importante está ainda por fazer.

Chegar até aqui é lindo e merecido, mas agora é que está a chegar o momento da verdade!

Nas próximas duas semanas, tudo se pode ganhar, mas muita coisa se pode perder.

Portanto, lembrem-se do que aconteceu o ano passado, lembrem-se da dor, e concentrem-se.

Agora, chegou a hora de entrar para a História, mas para isso acontecer é preciso dar tudo e muito mais.

E ainda mais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:13

Em relação há meses atrás, o Benfica tem vindo a melhorar, o FC Porto estabilizou e o Sporting perdeu alguma eficência.

O indicador que aqui costumo usar é o das percentagens de vitórias, com cada empate a valer meia-vitória.

Dá-se 2 pontos por vitória, 1 por empate, e depois divide-se pelo máximo de pontos possíveis nos jogos já disputados.

 

Assim, o Benfica disputou 32 jogos, em todas as competições oficiais.

Tem 24 vitórias, 5 empates e apenas 3 derrotas (uma no campeonato e duas na Champions).

Soma 48 pontos pelas vitórias e mais 5 pelos empates, ou seja 53, num total de pontos possíveis de 64 (32 x 2).

A percentagem de vitórias do Benfica de Jesus é pois de 82,8%.

Melhorou um pouco em relação a Janeiro, quando tinha 82,1%.

Veremos agora como vai esta percentagem ser afectada pelo início da Liga Europa.

 

Quanto ao FC Porto, disputou 33 jogos, mais um que o Benfica, pois esteve na Supertaça.

Tem 21 vitórias, 6 empates e 6 derrotas (3 no campeonato e 3 na Champions).

Soma 42 pontos pelas vitórias, mais 6 pelos empates, ou seja 48 num total de 66 possíveis (33 x 2).

A percentagem de vitórias do FC Porto de Paulo Fonseca é pois de 72,7%.

Subiu um pouco em relação a Janeiro, onde estava nos 72,4%.

Também neste caso teremos de ver como vai ser afectada esta percentagem pela Liga Europa, e ainda não se sabe igualmente se o FC Porto vai ou não continuar na Taça da Liga.

 

Por fim, o Sporting, que é o que tem menos jogos disputados, apenas 24, pois não está nas competições europeias.

Tem 15 vitórias, 6 empates e 3 derrotas (2 para o campeonato e 1 na Taça de Portugal).

Soma 30 pontos pelas vitórias, mais 6 pelos empates, ou seja 36 num total de pontos possíveis de 48 (24 x 2).

A percentagem de vitórias do Sporting de Leonardo Jardim é pois de 75%.

Há que ter em conta que fez menos jogos que os rivais, mas também que desceu, pois em Janeiro este número estava nos 78,5%.

E está ainda pendente a questão da Taça da Liga, para ver se o Sporting continua só numa frente, ou abre uma segunda.

 

Em conclusão: o Benfica tem vindo a melhorar os seus números desde Outubro, o FC Porto quebrou muito até ao Natal, mas depois estabilizou, e o Sporting teve duas pequenas quedas, mas continua com bons resultados. 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:32

Qual a probabilidade do Benfica vencer o FC Porto no domingo, na Luz?

Para responder a esta pergunta, podemos olhar para o histórico geral de todos os campeonatos nacionais, que dá vantagem ao Benfica, ou para o histórico da última década, que dá uma ligeira vantagem ao FC Porto.

Ou, em alternativa, podemos consultar um índice europeu mais sofisticado.

 

O site Euro Club Index organiza um ranking estatístico da performance dos clubes, seja para as ligas nacionais, seja para as competições europeias. 

Esse ranking é alimentado pelos resultados dos jogos todas as semanas.

Cada clube tem um determinado número de pontos (o seu valor ECI), que mostra a força desportiva relativa do clube, num determinado momento no tempo, e também o desenvolvimento dessa força relativa ao longo do tempo.

 

Neste momento, o FC Porto é o 14º classificado do ranking europeu, com um valor ECI de 3209, e o Benfica está logo atrás, em 15º, com um valor ECI de 3202.

Além de calcular o valor ECI em cada momento, o site faz também previsões sobre jogos e sobre possíveis vencedores das ligas europeias.

Para isso, leva em consideração o histórico dos clubes em cada competição, e é por isso que para a Liga Europa, por exemplo, o Benfica aparece como o 3º candidato mais forte.

Em primeiro lugar está a Juventus, com 19,6% de probabilidade de vencer a liga Europa, seguida pelo Tottenham, com 13,2% de probabilidade, e do Benfica, que tem 10,3% de probabilidade de vencer a competição.

Logo atrás do clube encarnado está o FC Porto, com 9% de probabilidade, e o quinto classificado é o Shakhtar Donetsk, com 8%.

 

E para o jogo da Luz, há alguma perspectiva que o ECI nos dê?

Sim, há. Para calcular as probabilidades para um determinado jogo, o site leva em consideração o valor do índice ECI, o factor casa, e ainda as probabilidades normais de um jogo de futebol.

Dessa forma, as probabilidades que o site apresenta para o jogo Benfica-FC Porto são as seguintes:

43% de probabilidade de vitória do Benfica

30% de probabilidade de empate

27% de probabilidade de vitória do FC Porto. 

 

Portanto, e apesar do Benfica ser favorito, porque joga em casa e porque tem um valor ECI muito semelhante ao do FC Porto, a verdade é que as possibilidades de uma vitória azul e branca são elevadas.

Não se esperava aliás outra coisa: nas últimas quatro épocas, na Luz o Benfica só venceu uma vez, em 2010, empatando no ano passado, e perdendo duas vezes, contra Villas-Boas e contra Vítor Pereira no seu primeiro ano como treinador.

 

Já agora, e para não nos ficarmos apenas por aqui, quais as probabilidades para o jogo Estoril-Sporting?

O Sporting está em 54º lugar no ranking ECI, e o Estoril em 190º lugar.

Para o ECI, há 22% de probabilidades de uma vitória caseira do Estoril, 29% de probabilidade de dar empate, e 49% de probabilidade do clube de Alvalade vencer fora de casa.

Esta última é uma probabilidade alta, mais alta do que a do Benfica vencer o FC Porto na Luz, por isso não seria motivo de admiração que o Sporting acabasse a primeira volta à frente do campeonato.

Mas Marco Silva, treinador do Estoril, já provou que sabe o que faz, por isso esse jogo vai ser entusiasmente de certeza.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

Portugal podia ter 3 treinadores na lista dos 30 mais bem pagos do mundo, mas com o despedimento de André Villas-Boas, agora só tem dois!

Mourinho é o 2ª mais bem pago do mundo, tendo este ano caído do primeiro lugar, destronado por Guardiola.

Já Jorge Jesus aparece em 11º lugar, tendo subido 3 lugares, pois o ano passado era o 14º mais bem pago.

Mourinho ganha 10 milhões de euros, Guardiola ganha 17, e Jesus está nos 4 milhões de euros brutos por ano!

 

A lista dos 11 melhores, compilada pela empresa brasileira Pluri Consultoria, está no final deste texto, mas mais interessante ainda é ver se o dinheiro investido pelos clubes está a ser bem empregue.

Para tal, vou aqui apresentar um indicador muito usado nas escolas de economia e gestão para analisar o desporto, que é a "percentagem de vitórias".

A percentagem de vitórias calcula-se dando 2 pontos a cada vitória e 1 a cada empate, e depois dividindo esse total pelo máximo que se podia obter nos jogos que já se efectuaram.

Assim, se um treinador ganhou 3 jogos, empatou 2 e perdeu 1, terá 6 pontos pelas vitórias (3x2), um ponto pelo empate (1x1), ou seja um total de 7 pontos em 12 possíveis (2x6 jogos) o que dá uma percentagem de vitórias de de 7/12, ou 58,3%.  

 

Qual é a percentagem de vitórias de cada um dos 11 treinadores mais bem pagos do mundo?

Vamos considerar apenas os jogos para os respectivos campeonatos e os jogos das competições europeias.

Comecemos por Guardiola, o primeiro do ranking, que ganha 17 milhões de euros brutos por ano.

Pepe realizou um total de 22 jogos, com 19 vitórias, 2 empates e 1 derrota.

Tem uma percentagem de vitórias de 90,9%, ou em números ((19x2) + (2x1))/(22x2).

Se fizermos contas semelhantes para José Mourinho, vemos que ele tem na Premier League 10 vitórias, 3 empates e 3 derrotas, e na Champions tem 4 vitórias e 2 derrotas.

Ou seja, fez os mesmos 22 jogos que Guardiola, mas tem 14 vitórias, 3 empates e 5 derrotas.

A percentagem de vitórias de Mourinho é pois de 70,4%, ou na fórmula ((14x2) + (3x1))/(22x2), o que é bem abaixo de Guardiola.

 

Agora, veja-se o quadro completo para os 11 treinadores mais bem pagos do mundo e as respectivas percentagens de vitórias:

 

Guardiola, Barcelona             17 m€       90,9%      19V, 2E, 1D

Mourinho, Chelsea                10 m€       70,4%      14V, 3E, 5D

M. Lippi, Guangzhou*             10 m€      88,3%      24V, 5E, 1D

Wenger, Arsenal                   8,2 m€      72,7%      15V, 2E, 5D

Capello, Rússia*                     7,8 m€      75%         7V, 1E, 2D

Ancelotti, Real Madrid           7,5 m€       84%        17V, 3E, 2D 

Moyes, Man. United              5,9 m€       63,6%     11V, 6E, 5D

Martino, Barcelona               5,4 m€       86,3%      18V, 2E, 2D

Klopp, B. Dortmund              4,3 m€      68,1%      14V, 2E, 6D

Pellegrini, Man. City              4,1 m€      72,7%      15V, 2E, 5D

Jesus, Benfica                       4 m€         73,6%     12V, 4E, 3D

 

 

Quais as conclusões que podemos retirar deste quadro?

A primeira é óbvia: Guardiola é o mais bem pago, e merece o que ganha, pois tem a mais alta percentagens de vitórias de todos, 90,9%!

 

A segunda também é óbvia: Mourinho está a ter uma época abaixo do que se esperava, e não está a merecer o que ganha!

Ganha 10 milhões, mas só tem uma percentagem de vitórias de 70,4%.

É o terceiro pior da lista, só ficando à frente de Moyes, que está nos 63,6%, e de Klopp, que está nos 68,1%, mas a verdade é que Moyes ganha quase metade de Mourinho, e Klopp menos de metade!

 

A terceira conclusão é: Lippi também merece o que ganha, foi campeão na China, e com uma percentagem de vitórias de 88,3%!

 

A quarta conclusão é: Wenger e Capello também merecem o que ganham, têm boas percentagens de vitórias!

 

A quinta conclusão é: Pellegrini devia ganhar mais no City!

Ganha apenas 4,1 milhões e consegue melhores resultados que Moyes e Mourinho, que ganham mais do que ele!

 

A sexta conclusão é: Martino também devia ganhar mais!

Tem a terceira melhor percentagem de vitórias da lista, com 86,3%, mas ganha menos que Ancelotti, que está nos 84%!

 

A sétima conclusão é: Jorge Jesus não está nada mal.

Apesar de ser apenas o 11º mais bem pago, tem cinco treinadores com percentagens de vitórias mais baixas do que ele: Moyes, Klopp, Mourinho, Wenger e Pellegrini.

Ora, se admitirmos que Lippi e Capello não devem ser metidos no mesmo saco, pois o campeonato da China e a seleção da Rússia não são do mesmo nível que os campeonatos europeus, chegamos à conclusão final:

Jorge Jesus é, dos 11 mais bem pagos do mundo, o quarto mais eficiente na Europa, apenas ultrapassado por Guardiola, Martino e Ancelotti!

 

É, sem dúvida, um bom resultado. No entanto, se o compararmos por exemplo com Diego Simeone, já perde algum brilho.

Simeone é o 26º treinador mais bem pago, ganha apenas 2,5 milhões de euros no Atlético de Madrid.

Porém, em 22 jogos, ganhou 19, empatou 2 e apenas perdeu 1 jogo! 

Simeone tem uma percentagem de vitórias de 90,9%, igual à de Guardiola, o que é espantoso, atendendo a que ganha quase 7 vezes menos!

Isso é que é dinheiro bem gasto!

 

 

* No caso de Marcelo Lippi, considerei os 30 jogos do campeonato chinês em 2013. No caso de Fábio Capello considerei os 10 jogos de qualificação para o Mundial 2014.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

O Benfica tem uma disfunção motivacional perigosa.

O presidente delira com a Champions e o melhor plantel dos últimos 30 anos, e na Luz a equipa não consegue ganhar ao penúltimo!

A exibição contra o Belenenses foi confrangedora.

Vencendo, o Benfica podia manter a pressão sobre o FC Porto e o Sporting.

Não o conseguiu, e nem a evidência de que o golo do empate do Belenenses foi ilegal iliba a equipa.

Não se compreende o que se passa, os jogadores parecem desmotivados, e alguns andam com a cabeça na lua. 

Assim ninguém será campeão.

Mas o problema parece-me mais profundo, e a entrevista de Luís Filipe Vieira, de terça-feira à CMTV, foi um sinal disso.

Não se compreende que Vieira venha dizer que o Benfica tenha o melhor plantel dos últimos 30 anos.

Isso é no papel, sr. presidente! Dizê-lo é um erro.

Quando dizemos que os jogadores são muito bons, eles ficam convencidos disso, e baixam a intensidade.

Além disso, subimos as expectativas dos sócios e dos apoiantes, para níveis altíssimos e insustentáveis.

A última vez que Vieira falou no melhor plantel de sempre, e Jesus disse que tinha de ganhar a Liga dos Campeões, o Benfica teve o seu pior ano dos últimos quatro.

Esta época, pelos vistos, o delírio voltou a atacar as lideranças da Luz.

Para quê falar em vitórias na Champions, quando a probabilidade de isso acontecer é mínima?

O que pensaríamos nós se o presidente do Zenit, do Shaktar ou do Arsenal, dissesse que queria ganhar a Champions?

Claro que sorriríamos, e pensaríamos que não estava bom da cabeça.

Ora, porque cria Vieira essa ilusão perigosa em todos, sócios e jogadores?

Não percebe o presidente do Benfica que a probabilidade de um clube português chegar à final da Champions é mínima?

Coisas destas, de tão irrealistas, não motivam ninguém, apenas causam ilusões tontas.

E depois há o choque traumático com a realidade: um clube que quer chegar à final da Champions e tem o melhor plantel dos últimos 30 anos, não consegue vencer em sua casa o Belenenses, penúltimo classificado da Liga!

Há uma disfunção motivacional claríssima no Benfica: Vieira diz que os jogadores são tão bons, que eles se tornam convencidos, blasés, e depois não conseguem ganhar jogos fáceis.

O Benfica não tem fúria de vencer, não a Champions, mas o próximo jogo, é esse o problema.

Vive a pensar em fantasias distantes em vez de descer à terra, e lutar, todas as semanas, como um louco que quer vencer tudo.

Assim, não se vai lá.

O futebol é vencer no dia a dia, não é alimentar quimeras improváveis.

E no dia a dia, as coisas estão fracas. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:02


Sobre o autor

Domingos Amaral é professor de Economia dos Desportos (Sports Economics) na Universidade Católica Portuguesa. É também jornalista e escritor e tem o blog O Diário de Domingos Amaral.


Contacto

oeconomistadabola@gmail.com

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D