Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Em Junho, muitos foram os que se espantaram com o "timing" da venda dos jogadores James e João Moutinho ao Mónaco.

Se o mercado só fechava a 31 de Agosto, porque é o que o FC Porto realizava a venda ainda em Junho?

A razão é simples de explicar: as contas dos clubes acompanham a época desportiva, e são apresentadas num ano que se inicia a 1 de Julho e termina a 31 de Junho.

Ora, na época 2011-2012, o FC Porto tinha apresentado um prejuízo de 35,7 milhões de euros, o primeiro resultado negativo depois de cinco anos consecutivos de lucros.

Sendo assim, o FC Porto tinha de vender jogadores para voltar aos lucros.

E assim fez: ainda em Agosto de 2012, vendeu Hulk e Álvaro Pereira.

No entanto, apenas essas duas vendas não chegavam.

Hulk foi bem vendido, mas tinha sido comprado caro, e portanto a mais valia do clube não era fabulosa. E Álvaro Pereira também não foi uma venda de grande singnificado.

Se o FC Porto tivesse apenas vendido esses dois jogadores até 31 de Junho de 2013, provavelmente teria de apresentar prejuízos pelo segundo ano consecutivo.

Para o evitar, o FC Porto antecipou a venda de James e de João Moutinho ao Mónaco, fazendo-a entrar antes de 31 de Junho de 2013, para que pudesse apresentar lucros no exercício.

A venda, de um valor global de 70 milhões de euros, era bastante importante, mas normalmente teria sido feita mais para a frente no Verão, talvez em Julho ou mesmo em Agosto.

Mas, e essa é a prova de que o FC Porto é muito bem gerido, o clube conseguiu convencer o comprador a realizar o negócio ainda em Junho, e regressou assim aos lucros, apresentando um total de 20,3 milhões..

Na verdade, não havia outra alternativa.

As receitas de bilheteira tinham descido, devido à crise económica; o crescimento dos prémios da UEFA face ao ano anterior era de apenas 6 milhões de euros; e as receitas televisivas só tinham crescido pouco, menos de 1 milhão de euros.

Só com a receita extraordinária da venda desses jogadores, ainda em Junho de 2013, foi possível o clube apresentar lucros.

É mais um exemplo de como a gestão é eficaz e bem feita no FC Porto, e de que o modelo de negócio, que funciona há muitos anos, quase sempre produz bons resultados.

O FC Porto usa o modelo "import-win-export". Importa jogadores bons, vence muito, e depois exporta muito bem.

É com este modelo, um case study europeu de sucesso, que o clube sustenta financeiramente as suas contas, e se mantém sempre competitivo.

Há apenas um pequeno senão...

Como já vendeu no exercício anterior, para o próximo ano o FC Porto ou vende em Janeiro de 2014, ou terá de voltar a vender até final de Junho de 2014, caso contrário arrisca-se a novo ano com prejuízos. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:45


Sobre o autor

Domingos Amaral é professor de Economia dos Desportos (Sports Economics) na Universidade Católica Portuguesa. É também jornalista e escritor e tem o blog O Diário de Domingos Amaral.


Contacto

oeconomistadabola@gmail.com

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Posts mais comentados