Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Que grande jogo fez o Benfica!

Uma entrada fulgurante, a alta velocidade, que naturalmente empatou a eliminatória bem cedo.

Sempre em aceleração, não sabemos o que podia ter acontecido se tivessem ficado onze em campo mais de 27 minutos.

Siqueira fez um erro grosseiro, na sua segunda falta, mas não merecia o primeiro amarelo dado por Proença.

A expulsão mudou o jogo, que nunca mais foi o mesmo, e podia ter dado cabo do Benfica.

 

Podia, mas não deu.

Jesus tirou Cardozo, a equipa reequilibrou-se e voltou do intervalo ainda mais empenhada.

Às vezes, é quando estamos melhores que sofremos, e o golo de Varela foi uma surpresa desagradável.

De repente, tudo parecia perdido.

Havia uma montanha para escalar, 2 golos a marcar, com menos um jogador.

Só que este Benfica é de betão, duríssimo de demolir.

 

Só se ganha um penalty quando se joga na área do adversário, e era isso que o Benfica já estava a fazer minutos depois do empate.

Para a frente era o caminho, com força mental e atrevimento.

Enzo marcou com frieza, e a esperança voltou a nascer.

A Luz inflamou-se, puxou pela equipa, e o FC Porto acanhou-se, com a mediocridade habitual deste ano.

Mas, ninguém esperava o que aconteceu.

Todos admitiam um golo, mas nasceu uma obra de arte.

André Gomes mostrou que ali há génio, e afundou o FC Porto para sempre.

 

Uma vingança que estava prometida desde 2011, destruindo essa espinha que estava encravada na garganta dos benfiquistas.

Foi dos jogos mais fantásticos dos últimos anos, para os benfiquistas.

Vencer com 10 o FC Porto é obra!

Depois, aquilo não foi bem futebol, mas ninguém ajudou.

Pouco importa, estava ganho.

Um grande e forte Benfica derrotou um FC Porto neurótico e deprimido, sem força nem talento para mais.

Alguém disse um dia que para haver ambição é preciso haver primeiro talento, e depois confiança.

Este Benfica tem tudo: talento, confiança e ambição.

Veremos até onde chegam as suas vitórias, para depois poder dizer algo mais.  

Mas, uma coisa é já certa: Jorge Jesus, o Messias branco da Luz, já não está de joelhos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:50

Como os meus leitores bem sabem, no início eu tinha bastantes dúvidas que, em ano de recessão e crise, fosse possível a Benfica TV ser um grande sucesso.

Para mais, a equipa acabara o ano anterior em estado de choque, e o início desta temporada foi difícil, o que ainda aumentava o meu cepticismo.

Porém, a Benfica TV ultrapassou claramente todas as minhas expectativas.

Atingir 300 mil assinantes em meados de Fevereiro, com parte importante da época ainda por chegar, é excelente.

Embora o "derby" contra o Sporting seja o último grande jogo em casa para o campeonato, a verdade é que, continuando a equipa na frente, cada jogo será um ponto forte para vender mais subscrições, pois a excitação do final do ano é propícia a mais assinaturas.

 

E, com 300 mil assinantes, o Benfica está muito melhor do que se tivesse aceite a última proposta da Olivedesportos, de 22,2 milhões de euros por ano?

Esse era um lucro líquido, sem custos de transmissão ou outros, e por isso teremos de calcular o lucro líquido da Benfica TV com 300 mil assinantes.

Para já, vamos considerar que a média mensal é de 300 mil assinantes, para 12 meses.

É possível que não seja, pois pode haver desistências, mas para já vamos considerar que é.

Retirando a parcela de Iva, temos que cada assinante paga 8,05 euros por mês, ou 96,6 euros por ano.

Se multiplicarmos este valor por 300 mil, temos um valor total de 28,98 milhões de euros por ano.

Contudo, há uma parcela deste valor que fica nos operadores (Meo, Zon, Vodafone, Cabovisão).

Embora não conheça os detalhes concretos da divisão de receitas entre as operadoras e o Benfica, podemos admitir um cenário em que, até 100 mil assinantes é metade para os operadores e metade para o Benfica, e para os restantes 200 mil assinantes é tudo para o Benfica.

Dessa forma, teríamos que anualmente seria 100 mil vezes 48,3 euros pela primeira parte, e 200 mil vezes 96,6 euros pela segunda parcela.

A receita total de subscrições para o Benfica seria pois de 24,15 milhões de euros por ano (100000x48,3 + 200000x96,6)

 

A este valor haveria que somar as outras receitas de publicidade e vendas de direitos para o estrangeiro, que Filipe Soares de Oliveira disse recentemente serem de cerca de 8 milhões de euros, e diminuir os custos da Benfica TV, seja em pessoal, seja em transmissões, seja em compra de direitos de outras ligas (Premier League, etc), que o director financeiro do clube disse serem de 9 milhões de euros.

Portanto, a receita final líquida do Benfica seria de 23,15 milhões de euros (24,15 + 8 - 9).

A conclusão que podemos pois retirar é que, com uma média mensal de 300 mil assinantes, a Benfica TV consegue receitas líquidas superiores à da última proposta da Olivedesportos.

 

Assim, é evidente que este foi um projecto vitorioso para o Benfica, que não só deixou de depender da Olivedesportos e da SportTV, o que é uma libertação política muito relevante, como financeiramente atinge um resultado ligeiramente superior ao que obteria no caso de venda dos direitos à Olivedesportos.

No entanto, há que admitir também que a Benfica TV possa ter provocado uma ligeira quebra no número de espectadores no estádio da Luz, o que representa uma perda de receita.

É assim? 

Na época passada, em 15 jogos, o Benfica teve uma média de espectadores na Luz de 42359 por jogo.

Este ano, com apenas 9 jogos, já contando com cerca de 60 mil espectadores no Benfica-Sporting, a média por jogo está nos 40100 (segundo os números da Liga, apenas para jogos da Liga Zon Sagres). 

Essa ligeira quebra de espectadores na Luz representará cerca de meio milhão de euros de perda de receitas de bilheteira, até agora.

Resta saber se é possível recuperar esses espectadores.

Se o Benfica se mantiver à frente do campeonato, nos seis jogos que faltam pode ter enchentes, e até ultrapassar a média do ano anterior, e a perda será irrelevante.

Mas, para já, há uma ligeira perda.

Contudo, mesmo assim não é suficiente para pôr em causa a grande vitória que é Benfica TV.

Acho que o presidente Luís Filipe Vieira merece os parabéns pela aposta e pelos resultados.  

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:36

Ontem, num artigo a propósito dos 10 anos de presidência de Luís Filipe Vieira, o jornal Record noticiou que a Benfica TV já tem 230 mil assinantes.

Em meados de Setembro, há pouco mais de um mês, o canal anunciara ter chegado aos 190 mil assinantes em apenas 2 meses.

Ou seja, entre o meio de Julho, quando o projeto arrancou, e o meio de Setembro, a Benfica TV tivera uma média mensal de assinantes de 95 mil.

No mês e meio seguinte, entre meados de Setembro e finais de Outubro, conseguiu apenas mais 40 mil, o que representa uma quebra no ritmo, mas ainda assim uma boa média mensal.

Será possível o número de assinantes ainda crescer mais esta época?

Se pensarmos que a recessão económica ainda está forte, é provável que o número de assinantes não cresça muito mais este ano.

Porém, se a performance da equipa no campeonato começar a melhorar, isso pode ser possível.

Em Janeiro, haverá um Benfica-FC Porto na Luz, para o campeonato, e talvez aí se consiga atingir o pico da época, em termos de assinantes.

Se o Benfica vencer esse jogo, aproximando-se do rival, e o campeonato ficar aberto até ao fim, o número de assinantes terá tendência para continuar a crescer.

Porém, se o Benfica perder, ficando já muito longe do FC Porto, é provável que o número de assinantes não cresça muito mais.

 

E, do ponto de vista do negócio, o que valem 230 mil assinantes mensais?

Numa entrevista recente ao Diário Económico, o director financeiro Domingos Soares de Oliveira declarou que os custos da Benfica TV andavam pelos 9 milhões de euros por ano, incluindo aqui os custos com pessoal, os custos com as transmissões dos jogos em casa, e os direitos pagos às várias ligas que a Benfica TV transmite, incluindo a Premier League.

Na mesma entrevista, Soares de Oliveira dizia que, em receitas publicitárias, seja no estádio, seja em antena, a Benfica TV já tinha garantidos 8 milhões de euros, tanto quanto o clube fazia no passado com a venda dos direitos totais à Olivedesportos.

Além disso, o director financeiro, sem ser muito explícito e sem revelar pormenores, reconhecia que existia entre a Benfica TV e os operadores de cabo (Meo, Zon, Vodafone, Cabovisão, etc) um acordo de partilha de receitas.

Ou seja, do total recebido em subscrições da Benfica TV, uma parte fica para o operador, e uma parte fica para a Benfica TV.

A questão é como se faz esta divisão.

Segundo fontes bem informadas, dizem-me que, até certo número de assinantes é 50 por cento para cada parte, e a partir daí é tudo para a Benfica TV.

 

Admitamos então que, nos primeiros 100 mil assinantes, as receitas se dividem pela metade, e que a partir daí vão na totalidade para o Benfica.

Nesse caso, qual seria a receita líquida de impostos que o clube obteria por ano?

Se o preço da subscrição são 9,9 euros, descontado o Iva, o valor é de 7,623 euros.

Metade disto são 3,811 euros. Esse seria o valor individual de receita que a Benfica TV receberia por mês, vindo dos primeiros 100 mil assinantes.

Teríamos depois de multiplicar 3,811 euros por 100 mil assinantes e depois por 12 meses, o que dava um valor de 4.573.800 euros.

 

A esse valor teríamos agora de somar a parcela em que a totalidade da receita vai directa para a Benfica TV, o valor gerado pelos restantes 130 mil assinantes.

Descontando o Iva, teríamos 7,623 euros vezes 130 mil assinantes vezes 12 meses, o que dá 11.891.880 euros.

Assim, somando as duas parcelas, teríamos uma receita líquida superior a 16 milhões de euros, cerca de 16.465.680 euros.

A este total, temos de somar os 8 milhões de receitas publicitárias e subtrair os 9 milhões de custos do canal.

No final, ficamos com 15,46 milhões de euros, e é esse o lucro líquido previsto com 230 mil assinantes.

 

É isso bom ou nem por isso?

Bem, se compararmos com o que o Benfica ganhava até à época passada, é muito melhor, é mesmo o dobro, pois o Benfica recebia da Olivedesportos um pouco mais de 7,5 milhões de euros, e agora ganhará 15,46 milhões.

Ou seja, melhorou bastante, e fez expandir a sua base de receitas, isso é evidente.

Mas, é preciso recordar que a última oferta da Olivedesportos era de 22,2 milhões de euros, por ano!

Comparando com esse valor, ainda estamos abaixo, a cerca de 2/3.

Para chegar a uma receita líquida de 22,2 milhões de euros por ano, a Benfica TV terá de aproximar-se dos 300 mil assinantes, mais coisa menos coisa.

É um número alto, e não sendo impossível de atingir ainda este ano, só com muita ajuda de Jorge Jesus e dos jogadores é que ele se tornará uma realidade! 

 

Além disso, há ainda outro factor a levar em consideração.

Quem tem ido aos jogos na Luz, como eu, tem notado que as assistências têm estado um pouco abaixo do que era esperado. Nos jogos para o campeonato, não se chegou ainda aos 40 mil espectadores.

Será a Benfica TV uma das causas da quebra de espectadores na Luz?

É possível que sim, mas é difícil estimar quantos preferem pagar 9,9 euros e ver dois jogos no sofá, em vez de irem ao estádio.

Pode acontecer, principalmente para quem está fora de Lisboa.

Um sócio de Coimbra, Famalicão ou Viana, é capaz de preferir ficar em casa do que fazer a viagem até à Luz, e portanto a subida de receitas da Benfica TV pode implicar uma ligeira quebra de receitas no estádio, aquilo a que os economistas chamam "efeito de substituição".

 

Em resumo, o que se pode dizer até agora é que a Benfica TV está a correr bem, o clube melhorou as suas receitas televisivas, comparando com o ano passado, mas ainda não chegou ao valor mágico que Vieira deseja, batendo a última oferta da Olivedesportos.

E, para já, o número de espectadores na Luz diminui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:06

O meu post de ontem, com que iniciei a escrita deste novo blog, deu origem a variados comentários, tanto aqui no blog como nas minhas páginas no facebook (https://www.facebook.com/Domingos.Amaral ou https://www.facebook.com/domingosfreitasdoamaral).

A todos os leitores agradeço os comentários, mesmo quando são abrasivos e duros.

E, perante algumas das questões colocadas, não quero deixar de tentar esclarecer os leitores. 

 

1 - A questão do IVA

Na simulação que ontem fiz, e onde referi que não tinha acesso a informação oficial sobre vários aspectos importantes, não considerei o IVA.

Vários leitores falaram nisso, lembrando que as contas podem alterar-se. 

A razão porque não o fiz tem a ver exactamente com o desconhecimento sobre os contratos entre a Benfica TV e os vários operadores envolvidos (MEO, Zon, etc). Não sei como serão partilhadas as receitas nem como será partilhado o custo do IVA entre as várias partes.

Também não sei se a Benfica TV terá direito a reembolsos de IVA, nem se fazendo parte da Benfica SAD, o IVA específico relativo à Benfica TV será englobado nas contas gerais da SAD ou não.

Por isso, não o considerei.

No entanto, é provável que uma parcela de IVA tenha de ser descontado às contas de receita líquida que apresentei, o que levará a que o número de assinantes necessários para atingir os objectivos na minha simulação tenha de subir um pouco. 

 

2 - A publicidade na Benfica TV

Alguns leitores defenderam que as receitas publicitárias que considerei, cerca de 10 por cento da receita total, eram um valor excessivo.

No entanto, a mim não me parece, pois apesar de tudo a Benfica TV terá muito bons jogos da Premier League para transmitir, além dos jogos em casa do Benfica, e isso pode possibilitar audiências grandes, gerando receitas publicitárias interessantes.

No entanto, também não sei se essas receitas terão de ser partilhadas com os operadores.

Mesmo assim, 10 por cento parece-me razoável, até pela questão de que falo no ponto seguinte.

 

3 - A publicidade estática durante os jogos

Vários leitores falam também deste assunto, mas mais uma vez é preciso alguma cautela.

Não tenho acesso aos contratos realizados entre Benfica e PPTV nos últimos anos para saber qual o valor da publicidade estática durante os jogos em casa, e nos relatórios de contas da Benfica SAD também não encontrei qualquer referência a este valor.

Se o valor da publicidade estática fazia parte do contrato anterior com a PPTV/Olivedesportos, então agora a publicidade estática passará a ser explorada pela Benfica TV, e portanto será uma receita da estação.

Porém, esse valor não deve ser muito elevado, pois estamos a falar de apenas 2 jogos por mês, durante 7 meses e meio.

Não me parece que seja uma receita muito relevante, e posso mesmo defender que esse valor está já incluído no valor de receitas publicitárias da Benfica TV, que estimei em 10 por cento da receita total. 

 

4- As plataformas no estrangeiro

Alguns leitores dizem que também não considerei as receitas da Benfica TV provenientes do estrangeiro, falando na Europa, na América e em África. 

É verdade, mas também aqui existe uma explicação razoável.

Julgo que os direitos da Premier League, comprados pela Benfica TV, não são extensivos ao estrangeiro, e apenas são válidos para território português, o que diminui o interessa da oferta da Benfica TV para outros territórios.

Assim, a estação fica limitada aos jogos na Luz, o que pode obrigá-la a cobrar uma mensalidade mais barata para esses territórios, diminuindo a receita total. 

Além disso, parece-me também que o número total de assinantes fora do território nacional não será muito grande, tal como também não o é na SportTV. 

Embora admita que exista uma receita adicional que não considerei, não julgo que ela venha a ser muito substancial.

 

5 - Diminuição dos direitos televisivos de FC Porto e Sporting

Um dos leitores afirma que o facto do Benfica ter terminado contrato com a Olivedesportos/PPTV levará a que as receitas televisivas de FC Porto e Sporting desçam, pois ambas estavam indexadas aos valores do contrato com o Benfica.

Julgo que não será assim.

Se o Benfica tivesse assinado contrato com a Olivedesportos/PPTV por um valor muito elevado, nesse caso é que o valor dos contratos com FC Porto e Sporting subiria, mas não havendo contrato com o Benfica não há lugar a descida de valores nos outros dois contratos.

Os valores recebidos por FC Porto e Sporting não são por isso directamente afectados pela existência da Benfica TV.

 

6 - Contas de merceeiros

Um dos leitores, mais abrasivo, acusa-me de fazer "contas de merceeiros" porque me enganei no valor da proposta feita pela Olivedesportos/PPTV, pois escrevi que ela foi no valor de 22,5 milhões de euros quando ela foi de 22,2 milhões de euros por ano.

O leitor tem razão, de facto cometi um pequeno lapso nesse valor, mas trata-se apenas de uma diferença de 300 mil euros por ano, o que dividindo por 12 meses e por uma assinatura de 9,9 euros, dá um número de assinantes de 2500.

Ou seja, na minha simulação, há um pequeno desvio, e em vez de se atingir um bom negócio nos 250.000 assinantes, atinge-se um bom negócio nos 247.500 assinantes...

Será um desvio assim tão relevante para me reduzir ao estatudo de "merceeiro"? 

 

7 - Conclusão final

Aquilo que ontem tentei fazer foi uma simulação, partindo de hipóteses que me pareceram razoáveis, e avisando que não tenho acesso a certa informação sobre o negócio que pode ser relevante (partilha de receitas com operadores, contratos publicitários, etc).

No entanto, apesar das limitações da simulação, e tendo de admitir que em certos casos (IVA, etc) poderá ser necessário fazer alguns acertos às minhas contas, julgo que os valores globais a que cheguei não andarão muito longe da realidade. 

A minha previsão mantém-se portanto: abaixo de 137 mil assinantes, é um mau negócio; entre 137 e 250 mil assinantes, é melhor do que existia antes; e acima de 250 mil assinantes é um bom negócio para o Benfica.

Mas, só o futuro dirá se isso se vai ou não verificar. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:34


Sobre o autor

Domingos Amaral é professor de Economia dos Desportos (Sports Economics) na Universidade Católica Portuguesa. É também jornalista e escritor e tem o blog O Diário de Domingos Amaral.


Contacto

oeconomistadabola@gmail.com

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D